A velhinha palpiteira e as eternas negociações sobre a temperatura

Esta semana iniciou com temperaturas acima de 30 graus! Terça-feira, 9 horas da manhã, a temperatura era amena, 23 graus, resolvi comprar cerejas na banca que ficava a 100 metros de casa. Levei minha filha comigo, ela teve icterícia, toma vitamina D diariamente e a pediatra recomendou que ela tomasse um pouco de sol pela manhã. Quando estava atravessando a rua, uma velhinha eslovena me parou e disse “Por que você está andando com uma criança neste calor! Com este sol,  este bebê deveria estar em casa”. Olhei para a velhinha com uma cara de passarinha brava e ela resolveu tomar outro rumo.

Desde que vim morar na Eslovênia, eu meu marido sempre disputamos o controle que regula a temperatura dos radiadores. A temperatura ideal para ele é 20 graus, com 24 ele está todo suado. Eu já acho que a temperatura ideal seria 24 graus. Tomar banho juntos, nem pensar! Ou a água é demais quente para ele ou demais fria para mim. Minha sogra  é outra que não consegue entender porque eu não estava animada em desfrutar o mar grego  “a temperatura de 20 graus é tão refrescante”.

Quando Mitja foi ao Brasil pela segunda vez, fomos ao Parque Estadual de Intervales. Lembro quão surpreso ele ficou ao notar que os brasileiros não entravam nas cachoeiras e seguiam a caminhada em frente. Ele e uma família de noruegueses, que também visitava o parque, divertiam-se na água.

– A água está fria Mitja?
– Está um pouco fresca.
– Fresca?
– É… acho que uns 14 graus.

Com um bebê, as “negociações” sobre temperatura aumentaram. Eu acho que 24 graus não é apropriado, ele acha que a criança está passando calor. “Ela nasceu dentro de mim”, brinco. “Ela vai viver na Eslovênia”, ele retruca.

3 Respostas para “A velhinha palpiteira e as eternas negociações sobre a temperatura

  1. Oi,Juliana,Irei a Eslovenia em meados de agosto….a temperatura ainda sera de 30graus nesta epoca ? Voce poderia me passar essa informacao? Desde ja,agradeco. Ana Maria Vitoria Espirito Santo Brasil

    Date: Fri, 13 Jun 2014 09:54:19 +0000 To: anamarialbergaria@hotmail.com

  2. Rssrsrs. tivemos o mesmo problema aqui em casa, éra complicado, meu pai sentia sempre o oposto de nós. Quando ele sentia frio tinhamos que fechar tudo, janelas, portas, etc. ele ligava até seu aquecedor particular (éra só dele), enfim vivemos assim durante varios anos. Lembro-me desse tempo com saudades, ír até o apartamento da praia éra muito complicado pois o calor dele não batia com o calor dos demais, sendo assim ele nunca nos vazia companhia. O tempo passou e recordo com muito amor tudo que vivi com meu querido pai. Gosto muito de ler seus comentários, tenho a impressão de estar perto desse pais que tanto amo, preciso tomar coragem e voltar à Slovenia pois tenho varios parentes e amigos (como vocês) nesse país. Um grande abraço a todos, e quanto ao sol, você sabe muito bem quando a Luna deve ficar exposta. Tenham um bom domingo.

Deixe uma resposta para Ana Maria Albergaria de Magalhes Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s